Futuro da Água no A TARDINHA

posted by amoura @ 1:48 PM
18 de novembro de 2009

Futuro da Água

A TARDINHA | Qual o principal problema envolvendo a água em Salvador? Como pode ser re s o l v i d o ?

LUIZ RO B E RT O MORAES | A modificação que o homem faz no meio ambiente, a forma atual de produção e o nosso padrão de consumo, que é grande e desperdiça muita água. Em Salvador não é diferente. Consumimos e desperdiçamos muita água. A modificação do modo de produção e de consumo, bem como a educação ambiental, podem combater o problema.

AT | Os rios que abastecem Salvador têm água suficiente para a população?

LRM | Têm. Os rios Joanes/Ipitanga, Jacuípe e Paraguaçu têm água suficiente para abastecer toda a população de Salvador. Além disso, se usarmos de forma adequada a água do subsolo (subterrânea), a disponibilidade de água doce fica muito maior. Melhor ainda é aproveitar a água de chuva que cai no telhado de nossas casas ou nas áreas da cidade (em geral tratada como esgoto pluvial). Também deveremos recuperar os rios de dentro da cidade, atualmente poluídos, como o Cobre (ainda utilizado), Pituaçu, Pedras, Jaguaribe, Camarajipe, dentre outros e, não destruí-los ou enterrá-los, como aconteceu com o Rio dos Seixos (aquele da avenida Centenário que não podemos mais apreciar).

AT | Por que nem todos os bairros de Salvador possuem água?

LRM | Porque o abastecimento de água ainda não é universalizado (para todos) e a distribuição é desigual. Quem pode pagar mais tem maior disponibilidade de água. Precisamos acabar com essa desigualdade, pois ter acesso à água em quantidade e qualidade é um direito de cidadania!

AT | A população pode confiar na água que chega a suas casas?

LRM | Sim, pois a água distribuída pela rede (tubulações nas ruas) é antes tratada pela empresa concessionária (a Embasa) que tem a obrigação de fazer o controle de qualidade e informar aos usuários. Hoje essa informação aparece na conta de água. A Secretaria de Saúde da Prefeitura Municipal de Salvador também tem a obrigação de fazer a vigilância da qualidade da água de consumo humano. Na minha residência, eu e minha família, consumimos água proveniente apenas da rede pública de distribuição.

*Entrevista retirada do caderno A TARDINHA/2008