Transposição do Rio São Francisco motiva discussões e disputa política

posted by amoura @ 1:36 PM
2 de dezembro de 2009

Rio São Francisco

 Protagonista da tragédia brasileira da seca histórica e crônica, o Nordeste foi palco das discussões acirradas em torno da proposta de Transposição das Águas do Rio São Francisco para as regiões mais áridas. Ponto polêmico que mais gerou debate político do que técnico e científico. A ideia de transpor as águas do Velho Chico já data dos tempos do Império e retomaram força na gestão de Fernando Henrique Cardoso, com a assinatura do documento “Compromisso pela Vida do São Francisco”, propondo a revitalização do rio e a construção de canais de transposição, além da transposição do Rio Tocantins para o Rio São Francisco.

 A pauta não avançou muito e seguiu em frente pela gestão de Luis Inácio Lula da Silva, onde teve maior espaço para polêmica. Estudos foram realizados e deram origem ao Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional. A matéria foi aprovada pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos. Antes disso, o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) considerou que as águas só seriam utilizadas fora da bacia em casos de escassez comprovada e para consumo humano. A observação veio do fato de que o rio já se encontra bastante degradado e a  disputa jurídica segue.

 O movimento social buscou diferentes formas de articulação e oposição no início do projeto, considerando seu estado de desgaste e não apostando na transposição como melhor modelo de sanar os problemas da seca nordestina. O tema foi amplamente discutido em espaços, como o Fórum Social Nordestino e o Fórum Social Mundial, além de seminários e audiências públicas entre diferentes espaços de reflexão e articulação política. O gesto emblemático de contraposição à proposta do governo foi a greve de fome do frei Luiz Cappio, da diocese da Barra, na Bahia, que se deu duas vezes em dois anos na tentativa de diálogo com o governo Lula. O bispo deu visibilidade à luta de muitos e procurava demonstrar para o poder público e para a sociedade o equívoco do projeto, que beneficiaria apenas 4% da população do campo (dados da Comissão Pastoral da Terra – CPT).

 O assunto está silencioso na pauta, embora ainda cause incômodo no movimento social. De acordo com Renato Cunha, coordenador do Grupo Ambiental da Bahia (Gambá), organização não-governamental pioneira nas discussões sobre meio ambiente no estado, a sociedade civil está observando quais serão os rumos do projeto para reaquecer a luta. “Estamos aguardando para ver o que acontece a fim de reestruturar a atuação. O debate sobre a transposição e a forma como ela deverá acontecer não pode ser esquecido nem silenciado” conclui o ativista.


O Futuro da Água faz a sua parte

posted by amoura @ 2:58 PM
13 de novembro de 2009

Este já é o 4º ano do Projeto Futuro da Água e, mais uma vez, fazemos nossa pate com muito sucesso. Somente neste ano, a equipe do Futuro da Água já levou educação ambiental a 28 escolas em Salvador, tendo um total de mais de 4.000 crianças e jovens, de 04 a 17 anos, que assistiram às palestras. Se somarmos os números dos anos anteriores, o projeto Futuro da Água já promoveu educação ambiental a mais de 10 mil pessoas da Região Metropolitana de Salvador, só contando com as palestras.

Já publicamos, desde 2006, 11 cadernos especiais encartados gratuitamente no Jornal A TARDE e este ano ainda será publicado mais 01. Além disso, o blog do futuro da água promove a discussão sobre o futuro da água entre internautas de qualquer lugar do globo terrestre.

Este ano, o projeto conta com o patrocínio da Petrobrás, Vega, Prefeitura Municipal de Salvador/SUCOM, além de ter o apoio do Gambá (Grupo Ambientalista da Bahia) e da Embasa.

Confira algumas fotos das palestas que realizamos esse ano!


Projeto Futuro da Água na Escola Amélia Rodrigues

posted by amoura @ 1:02 PM
14 de outubro de 2009

AmeliaRodrigues

Cerca de 100 alunos da Escola Municipal Amélia Rodrigues recebeu no dia 08 de setembro o Projeto Futuro da Água, realizado pelo Grupo A TARDE. Na escola, foi realizada uma palestra proferida por José Francisco, técnico da Embasa que mostrou para as crianças a importância do uso consciente da água, além de mostrar para elas as fases da água através de vídeos, de onde vem a água que utilizamos e como se encontra a água no Planeta Terra: 97,3% de água salgada, 2,07% água congelada, 0,63% de água doce, aquela que utilizamos no dia a dia, além de participarem de uma recreação com o Palhaço Bolinha, da turma da Gabitica.


O Projeto Futuro da Água nas Escolas…

posted by amoura @ 12:27 PM
14 de outubro de 2009

EduardoGomes

A primeira escola municipal a participar do projeto, este ano, foi a Escola Municipal Eduardo Brigadeiro Gomes, localizada no bairro de São Cristóvão.

O projeto Futuro da Água é uma intervenção pedagógica que possibilita a conscientização da comunidade escolar e entorno acerca da importância da água para manutenção da vida humana, assim como a utilização adequada desse recurso. Com esse objetivo, o projeto levou à escola uma palestra proferida por Aline Amoedo, no dia 01 de setembro, representante do Grupo Ambientalista da Bahia (GAMBA), que este ano apoia o projeto.

Segundo a vice-diretora do turno matutino, Roberta Farias, projetos como esse é de grande relevancia para as crianças da escolae vem somar com os projetos voltados à preservação do Meio Ambiente. “É muito importante esse trabalho feito na escola, pois as crianças são multiplicadoras das informações obtidas aqui, tenho certeza que eles participam do projeto e levam para casa essas informações e a necessidade de cuidar melhor do meio ambiente e da economia da água”, afirma Roberta.

Além da palestra sobre o uso consciente da água, certa de 170 alunos, participaran de um momento lúdico realizado pela equipe da Gabitica, grupo de animação infantil.